quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Não optei pele morte!

 
A escuridão do caixão ia me sufocando, o ar já me era pouco e minha angustia por estar ali derramou em minha alma, e com os braços e as pernas amarradas sentia a vida quando o carro trepidava na estrada esburacada entrando na Cordilheira.  A certeza de que era a minha última viagem foi crescendo e dando uma dor dentro do coração, da alma. E com essa dor eu sim senti a vida, o que me desesperou ainda mais.

E o desespero me tomou pelo habito que anos deixara. Eu comecei a rezar. Não rezava por mim, mas rezava por aqueles que eu ia deixar.  E ao lembra nos meus queridos, o desespero me  tomou ainda mais.  
 
Derrepente raios e trovões, sob o calor e então senti o meu corpo rebater violentamente dentro do caixão, em piruetas como a uma montanha russa com os seus altos e baixos. Nunca imaginei que a morte fosse assim praticamente acrobática. E nesse evento, derrepente senti o caixão que eu estava ser arremessado e com o impacto de uma queda batendo em algo, se espatifou jogando os seus pedaços ao alto e junto eu que era parte daquele caixão foi arremessado por entre árvores e galhos.

Foi uma dor terrível, mas eu não estava preocupado com isso. Vi novamente a luz, o ar entrava pelas minhas narinas. E que bom eu estava vivo, todo quebrado, mas vivo.  E me perguntei se era o paraíso ou o inferno.  Eram as matas da Bolívia. Então amarrado aos pés e mãos me levantei, e vi que o veiculo que me levava naquele caixão capotou, deixando um rastro ribanceira abaixo, com dois corpos estraçalhados e alguns inteiros.  Eram os malditos homens de  Erquila, o capitão do cartel de coca  daquelas bandas. E certamente iriam me apresentar a ele e me “sepultar vivo”. Mas como a um milagre dos milagres, o caixão que definiria a minha morte, me deu a vida. E com dor e talvez uma perna fraturada eu estava vivo.

Mas os homens de Erquila, não irão deixar de cumprir o que ele pediu. Pagariam com a morte se não fizessem. Então no alto da ribanceira, outro carro que vinha atrás despejou alguns homens armados, que desciam com desespero para ver se eu estava morto.
E como a vida havia me dado outra chance me esforce para merecer. Com dificuldades comecei a esfregar uma das cordas numa pedra próxima até ela se romper, depois com desespero desamarrei os pés  e comecei a correr. A ribanceira é de difícil acesso, mas os homens de Erquila cumpriram a sua missão.

Comecei a correr, e alguns homens me viram. Atiraram como se eu fosse um servo. Queria a minha carne. A abençoada floresta me ajudava a se esquivar, mas os tiros cortavam as arvores.  A floresta sabia que o mal estava agindo, ela silenciou-se. Talvez para assistir o espetáculo de caça e caçador, ou por que é evoluída demais para se meter em assuntos humanos.  
Ao longe entre os tiros e os gritos daqueles demônios pude ouvir o barulho de um rio, águas densas turvas e fortes. Era a vida me chamando novamente.
 
Os demônios de Erquila aproximavam-se cada vez mais e novamente então a morte parece ganhar.
Escondi-me numa rocha imensa, enquanto eles passavam por mim. E os malditos foram em direção ao rio.  Agora eu estava atrás deles, e fiquei esperando pelo silêncio. Os tiros cessaram. Certamente se tratava de uma armadilha daqueles putos. Mas o medo de que eles voltassem e  me pegassem  se expandiu e não pude controlar. Sai correndo em direção ao rio, e  se saber do tamanho desse rio, me joguei sobre as suas águas. Elas me salvariam. Somente elas.
E enquanto as águas me levavam, pude ver alguns dos homens de Erquila nas margens me procurando e ao me procura estavam desesperadamente salvando as suas vidas.
A floresta assistia tudo.

As águas benditas do rio iam me curando. Eram corredeiras não muito bravas, mas que me protegiam. Eu sei nadas, cresci nesses rios e florestas. E mais adiante com a água calma, toquei a margem e segui o curso do rio me levando a uma vila pequena. Certamente território de Erquila, dali, seguiu pela mata e pela margem até a divisa com o Brasil. Foram dias e noites, em que eu comia verme e frutas coletada na mata, às vezes em alguma propriedade rural. Às vezes pensava que era uma benção, outras que nem o inferno seria assim. E ao entrar no território brasileiro com clandestino, não temia ser preso. No narcotráfico eu estive sempre preso. E o que seria uma prisão!  Quatro paredes ou a violência de não poder respirar e ver a vida.

Agora eu ia para São Paulo, encontrar minha mulher que mandei há meses, trabalhar com seus parentes em confecções de Coreanos. Talvez fosse outra prisão, mas eu estava livre agora pra escolhe a minha prisão. Não prisão que o narcotráfico me impôs, desde o doze anos quando me roubaram de minha família que nunca mais eu vi ou soube.
Agora eu ia para família que crie. E livre por não ter matado três meninos que Erquila ordenou   e  que por não ter matados eles  o entregaram para a policia um deposito de pasta de coca. Prejuízo imperdoável aos cofres de Erquila.
Eu não podia mais matar meninos como ele queria. A vida agora me dera uma mulher que estava esperando um filho meu. E isso ressuscitou a  força em mim em ter uma família.
Eu  não via hora de chegar a São Paulo e ver o meu garoto.
A vida  me pareceu agora com horizontes.  Que reze a vida.