sábado, 29 de setembro de 2012

João, o gato e o Boxe


 
João nunca havia chegado tão longe em sua vida. Desde que se lembra sempre lhe disseram não, não para isso e aquilo. Não você não vai conseguir, é muito difícil, não é para gente de nossa como nós. João não tinha a beleza que todo querem, nem a inteligência que todos exigem. Entrou para o Boxe, apreendeu a lutar. A lutar não, apreendeu as técnicas da luta. Porque lutar era com ele, lutou a vida toda. E com as técnicas e os macetes e mumunhas fez-se campeão municipal, estadual e por fim três vezes o campeonato nacional.
Mas da última luta para cá João descobriu que não era aquele o seu mundo. Quer dizer foi o seu mundo e de algo que lhe aconteceu subitamente como se uma lamparina ascendesse em sua alma e clareando tudo que estava escuro. Tomou a coragem de deixar o Boxe.
-Mas como. – perguntou o mundo. – João você é promessa de nosso país para ganhar o campeonato internacional... João não faça isso, João não desista...
João desistiu. Não era o as pessoas, não era o país, nem o mundo que iria parar os seus sonhos. João que luto no ring apreendeu a lidar com os adversários e por lutar no dia a dia apreendeu a lidar com as pessoas.
E mesmo a decepção da mídia das pessoas e dos patrocinadores. João surpreendeu a todos com sua decisão. Foi uma lastima. João recebeu criticas, algumas severas e outras cruéis. Mas João não se importou.
Até que um repórter perguntou por que estava desistindo e o que iria fazer de sua vida.
João sorriu levemente.
- Na última luta que venci derrepente lutar perdeu a importância para mim. Foi assim num segundo quando desviei da direita carregada do adversário que me veio uma história em meus pensamentos.
-Uma história?
- A história de um menino que nunca teve nada na vida e um dia achou um gato. O menino alimento o gato, dividiu com ele a sua pouca comida, o seu colo a sua atenção e  seu amor. E como tudo  tem volta nessa vida, um dia esse gato correndo de um cão, fez o menino correr atrás dele  para salva-lo e ao tentar salvar o gato entrou numa academia de Boxe levando o menino com ele. E ao entrar nessa academia, o menino ganha experiência nome e fortuna para escrever essa história e tantas outras. O menino nunca quis ser um boxeador. O que o menino sempre sonhou na vida foi ser escritor. Você entendeu?  E o gato agora esta realizando o meu sonho.
O país as pessoas que fazem o país entenderam que haviam perdido um boxeador de primeira e vieram nascer um escritor que ainda estava começando a lutar em sua vida. João nunca ia deixar de ser um lutador.

Tempo somos nos quem o faz?


 
Dia desses conversando com um amigo de trabalho ele me deu uma luz. Sempre é bom conversarmos com as pessoas, elas certamente viveram experiências que não vivemos e tem outro ponto de vista que pode nos fazer melhorar o nosso ponto de vista.

Eu e esse meu amigo falávamos sobre o tempo, a sua falta como aproveitamos ou não. E por final ele me disse concluindo a conversa a seguinte frase.  http://migre.me/sHduv

“apreendemos que falta tempo pra fazer isso ou aquilo. Mas pra fazer isso ou aquilo basta apenas começar. O tempo quem o  faz somos nós”

Eu pensei em retrucar, e dizer que não era bem assim.

Ele então disse logo.

“Experimente. Comece a fazer algo que você queria e por achar que lhe falta tempo não fez. Comece a fazer e logo você vê que fez e não lhe faltou tempo.”

Bem foi o que eu fiz. E vi que ele tinha razão. O tempo quem o faz somos nós. Na maioria das vezes é claro.

Um breve pensar sobre os nossos Bairros.


 
Gosto de caminhar pelo Bairro e ver as casas e o que as pessoas fazem com elas. Algumas pintam, outras reformam outras plantam uma árvore de frente outras podam a árvore.

Algumas pessoas estão chegando outras se mudando.

A maioria fica e vamos entrelaçando  mais a amizade.

Sempre há aquele que gostamos mais, e outros que nem tanto.

Sempre há aqueles que se mudaram recentemente e parece que somos velhos amigos, e há aqueles que se foram e nunca sai de nosso convívio.

Os bairros são um micro cosmo, uma parte da cidade, do país do planeta.

As vezes desprezamos, ignoramos. Tolice, pois é no bairro que está a nossa casa, e que podemos voltar sempre e se sentir mais parte da tribo humana.

Na copa enfeitamos com as cores da pátria. Fazemos festas juninas e sempre estamos ajudando um ou outro.

Bairros é a versão urbana de nossas tribos ancestrais. Só caminhamos porque temos uma família, uma casa, moramos num bairro numa cidade num país, num planeta. E ai vai.

Fico imaginando se há bairros nas galáxias? Se não houver, acho que vamos saber um pouco mais de nossa solidão nessa amplitude cósmica.

domingo, 23 de setembro de 2012

Sintonizar, é determinante para o sucesso profissional e pessoal.


Sempre ignoramos e desprezamos o que não podemos ver. Não estou falando de fantasmas, mas de pensamentos e como somos frutos dele e  nossos resultados tanto para o bem quanto para o mal, veem de como lidamos com os nossos pensamentos.

O fato é que por experiência própria levarei por toda a minha vida essa lição de que o pensamento interfere sim em nosso desempenho profissional, em nossas relações pessoais, e em nossa saúde.

 

Quem consegue se sentir bem com stress? Que dieta resiste à ansiedade e o desespero causado pelo stress?

E sem perceber a gente se envolve com o pensamento estressado do outro. E toda vez que estamos mal, com pensamentos ruins, eles abrem portas para outros pensamentos ruins sintonizarem-se e chegar até nós.

 

Eu tive varias experiências nesses sentindo. E que me custo algum preço nada sério, mas foi de real valia para mim porque apreendi o valor do pensamento. Seja negativo ou positivo.

 

Assim hoje sempre pondero em não entrar pelo caminho do desespero, no medo excessivo, do ódio para com o outro, da ira, porque se eu cultivar esses pensamentos ligará o botão que sintonizara outros iguais a esses pensamentos e num determinado momento eles sintonizados atuaram em minha vida.

 

Compreender a situação, buscar novas alternativas, acreditar em si e se possível mudar de emprego, de parceiro, de cidade. Talvez medidas drásticas, mas que evitara alguma pequena tragédia em sua vida. Ou tragédia maior.  http://migre.me/sHduv

 

Sintonize-se sempre com os seus objetivos, sonhos, e amores de sua vida, real amizades e vera que encontrará forças mais e mais para continuar a caminhar.

 

Não se trata de uma promessa de paraíso, mesmo porque problemas são inevitáveis à solução é que pode determinar o seu sucesso.

 

Também não sou religioso, nem filosofo, estou relatando apenas uma experiência de vida, uma lição que me é útil sempre. 

 

 

 

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Cinco minutos.

Ao alimentar pequenos problemas eles se tornam grandes problemas.
Somente quando fechei os olhos e respirei fundo a minha alma se acalmou. Então veio a serenidade e com ela, a compreensão de que o outro também é uma alma. Uma alma tão igual e importante como a minha. E nessa calma de alma podendo me ver, encontrei as minhas necessidades, os meus desejos e sonhos.
E também encontrei os meus medos, e com os meus medos os meus ódios e as minhas iras.  Todos expostos e prontos para eu toma-los assim como a um supermercado onde se pode escolher o que levar pra casa.
Eu poderia escolher o ódio, e me vingar  e alimentar esse ódio que me levaria mais ódio e muito de minha vida.
Eu poderia escolher também a minha compaixão e dizer que estava tudo bem. E deixar pra lá.
Mas entre o ódio e a compaixão escolhi a razão. Porque compreendia que a alma de Alfredo  tinha também os seus desejos e sentimentos e sonhos e tudo o mais.
E lhe disse.
- Alfredo, você deseja o que?
- Como assim?
- Você deseja brigar por coisas pequenas ao invés de incentivar mais produtividade de seu setor e bater as suas metas.
- Mas Elem chegou 5 minutos atrasada?
- E você perguntou o por quê?
- Não tem importância.
- Claro que tem. Elem é excelente no que faz, deve ter  os seus problemas.
- Todos têm problemas, e cinco minutos aqui cinco minutos ali.
- Então, já faz dez minutos que estamos discutimos os cinco minutos atrasados de Elem, ao invés de estar discutindo e desenvolvendo estratégia para atingir as nossas metas. O que você quer afinal?
Alfredo silenciou-se. E depois me olhou perdido como alguém que acaba de cair na real.
- Entendi. – me disse, se desculpo e saiu para resolver o que tinha que resolver. Deixou Elem voltar ao seu trabalho não lhe deu advertência e naquele dia Elem fechouas suas vendas de sempre. Ela afinal sentiu que não seria punida por cinco minutos atrasada. Sentiu que a empresa lhe era familiar.
E acho que Alfredo entendeu que pequenas coisas são pequenas coisas, e se dermos importância para elas certamente se tornam grandes problemas.
Se Elem tivesse voltado para casa como ele queria, por cinco minutos atrasados, não teria fechada as vendas que somente ela fecharia.
Entender as necessidades do outros os seus problemas certamente nos dá bom resultados tanto profissionais como pessoal.