sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Eu, Os Amish e a solidão.


Assim como os Amish eu tive que encarar uma solidão.


Assistindo uma reportagem no Nacional Geográfico sobre os Amish, me lembrei do que é a solidão. Os Amish são um grupo ou comunidades que vivem em certas áreas dos Estados Unidos mantendo a doutrina  no trabalho duro e árduo e tradições alemãs de séculos passados e religião dura. Sempre em trabalho rurais, e dispensa toda forma de tecnologia, de uma lâmpada a um celular.  Ainda usam carroças e roupas típicas.
 
Claro que o mundo moderno está   engolindo-os e se aproximando cada vez mais de suas comunidades e por isso muitos jovens  desertam e vão para cidade começar vida nova. A família os repudiam, dizendo que estão possuídos por satã.
Mas como todo jovem ainda não sabe de sua coragem e muitos  não dão ouvidos e fogem em busca das luzes da cidade. E fugir da família da tradição Amish  trás grandes consequências.
 
As suas famílias que ficam na fazenda nas comunidades para trazerem os filhos desertores  rompem com os que desertaram  e  enquanto estiverem na civilização, nas cidades, não os recebem em suas casas e nem mesmo falam com eles.  E como todo jovem que foi criado com carinho dos pais e os laços de família, começam a sentir solidão. Aquela maldita solidão. Muitos desses jovens desertores  voltam arrependidos, sofrendo da solidão de um mundo que não foram criados e portanto pouco lhes pertence. A saudade arrebenta com qualquer um. Enquanto  outros  jovens desertores continuam o caminho em busca de uma vida diferente da que levaram até então.
A solidão sempre é cruel e sufocante.  E sempre nos leva a fazer coisas que não faríamos se não estive metido nela.
 
Digo por experiência própria. Porque quando vim pra cidade grande, sentindo a ausência da família dos amigos onde fui criado. Comecei a me envolver com pessoas que não tinha nada a ver comigo;  gostavam de coisas que eu não. Algumas pessoas  não carregavam  nem mesmo valores que os meus . Então comecei a ouvir musica que não gosto, comer o que não gosto, gostar de quem não tinha nada a ver comigo, porque eu não conseguia ficar longe deles. Medo da solidão, sentir a solidão. Ainda mais nas noites frias, e chuvosas.  Havia momentos que não sabia mais quem eu  era. O eu, o meu eu havia sido engolido por aqueles amigos, que fiz por causa da solidão.
 
Claro que isso foi uma experiência que me enriqueceu muito. Porque sempre pensamos que o mundo pensa igual a nós, vê as coisas das mesmas cores que nós. E quando depararmos com o outro, totalmente diferente é um choque.  Mas também é algo que   pode fortalecer os seus valores e acrescentar outros, principalmente a consciência de que o mundo é plural e diverso.
 
Até que lentamente eu fui descobrindo outras pessoas, outros caminhos, me vendo novamente. Eu era muito jovem, e sem experiência em solidão  quando "ela" me pegou e me pegou de jeito mesmo.  E como os jovens Amish,  eu também e  muitas vezes quis voltar pra casa, por colo da mamãe.
 
E essa experiência me ajudou a madurecer mais rapidamente e com os anos só foi me lembrar da solidão quando vi essa matéria no canal de TV. Hoje sou mais dono de mim e mesmo não acertando em todas as minhas escolhas não as faço baseada na solidão, mas às vezes a faço no medo. Estou apreendo outra vez e a vida é assim, sempre uma experiência atrás de outra experiência.