domingo, 20 de novembro de 2011

Aquela voz dentro de nós!

É uma voz, vozinha que sempre nos guia, talvez para o bem, talvez para o mal, tal qual uma tia ou um avó, falando que não devemos fazer isso ou devemos fazer isso. Nunca comentamos dessa voz, nem sei se damos conta dela o tempo todo, mas inevitavelmente a gente se pergunta. Porque fiz isso ou porque não fiz o que tinha que ser feito. Às vezes ignoramos essa voz, às vezes damos ouvidos a ela em coisas fúteis.
Exemplo: Ah! Se eu usar essa camisa o que vão falar de mim? Ou. Putz se eu tivesse o carro do ano, teria pegado aquela mina!

E as deixamos de usar o que gostamos por medo da opinião alheia ou não botamos fé no nosso taco porque ouvimos a voz dizer antes que aquela mina não tá nem ai pra você.
Essa voz nós a criamos vinda de um medo subescuro de que sempre tememos a opinião do outro. O olhar do outro, para alguns especialistas se trata do eu social. "Aquele eu que sempre queremos mostrar para o mundo e que muitas vezes nunca esta de acordo com o que somos. "

E certo que é preciso mergulhar numa busca interior para saber quem somos mesmo, e ainda sim sempre iremos nos surpreender. Mas quando negamos essa voz vinda de dentro de nós dizendo para sermo-nos mesmo e que deve sim usar tal camisa, não importando a opinião do outro, damos razão a voz que diz sim que a opinião do outro é importante por isso não deve usar essa camisa.
 

É uma guerra que algumas vezes se torna insuportável em outros momentos de nossas vidas deixamos pra lá. Mas como em toda guerra é preciso saber do seu potencial e saber do inimigo. Se tiver que se arriscar em alguma empreitada seja um emprego novo ou um novo relacionamento, se souber da existência dessa voz e saber escolher ou não entre ouvi lá e ignorar, terá dado um passo a mais e certo para a sua conquista.