segunda-feira, 16 de maio de 2011

Grandiosidade ou grandeza?

Acredito nas duas designações! É que nos dias de hoje! Não, não. Não vou usar de hipocrisia e dizer que antes, no passado a coisa era melhor. Na verdade nunca foi. Basta olhar para o passado e ver quanto  de discriminação e massacres acumulamos. E para dizer a verdade hoje nos espantamos mais e agimos mais. Salvo alguns poucos idiotas que se acham mais que o outro, estamos nos dando melhor como pessoas. Nos relacionando inclusive com outros seres.  Mas enfim o que conto a seguir me aconteceu há alguns anos  justamente quando eu passava por uma crise, um stress profissional e pessoal. 
Eu estava com uma divida alta, sem carro,  sem aumento salarial, e como a todos sofrendo pressão da empresa para atingir a meta estabelecida. O país passava por uma crise econômica o que dificultava  atingir a meta. Além do mais, em casa o meu pai começou a me cobrar para ajudar a pagar as contas. E sempre discutimos e discutir com pais é levar no fígado porque simplesmente a gente leva  aquela discussão para todo canto. E para piorar fazia seis meses que eu não estava namorando. Bem diante de toda essa pressão, eu comecei a ficar mal humorado, amargo as vezes. E quando estamos assim, apreendi naquela ocasião, sempre esquecemos de olhar o outro ao nosso lado. É como se somente o nosso problema existe, somente nós somos a vitima do mundo e o resto que se dane. Assim sendo então, passei a tratar com desdém alguns amigos. Amigos que vinha falar de seus problemas e eu  os deixava falando sozinho. Ou aquele cara que acabou de entrar na empresa e veio puxar papo com você e você simplesmente ignora. Não dava nem bom dia para o ascensorista e muito menos para os faxineiros. A comida perdeu o sabor e eu sempre reclamava. Cheguei a tomar o acento preferencial no metro e louco para que alguém viesse falar algo.Eu estava louco para brigar, bater em alguém jogar  a culpa de todos os meus problemas em alguém.  A minha divida, as minhas discussões com o meu pai e a falta de namorada era o que mais importante existia no mundo. 
 E foi num dia mal assim , um dia ruim mesmo que eu ao tomar o metro para voltar para a casa, resolvi descer numa estação mais longe possível e caminhar um pouco. Então num  viaduto onde carros apressados passavam constantemente, havia uma escada em caracol que levava para uma avenida mais tranqüila. E ao descer essa escada encontrei um casal de mendigos que sentados a um dos degraus dividiam uma marmita. Quem sabe é Deus como conseguiam comprar essa marmita. E como havia somente um garfo de plástico eu o vi colocando comida na boca dela e depois se alimentava.Ele dava esse carinho a ela, e certamente ela faria o mesmo. Encontrei ali uma forma de compartilhar as coisas numa situação muito difícil e de penúria. E fiquei chocado, e pensei em voltar para não atrapalha-los quando me olharam e abriram espaço para eu descer, eu agradeci e então ouvi o mendigo me dizer.
- Servido! - estendeu a marmita me oferecendo.
Eu fiquei emocionado e agradeci. E com toda a vergonha do mundo segui meu caminho. Era incrível o que aquele casal de mendigo conseguiu comigo. Eles simplesmente tinham apenas uma marmita dividindo entre eles e mesmo assim tiveram a grandeza a gentileza de me oferecerem. Eu, um burguês bem vestido e com banho tomado que faz todas as refeições e pode viajar e tem plano de saúde e principalmente não mendiga para sobreviver, era incapaz de dividir uma refeição com quem quer que seja. Nem mesmo ouvir o problema do outro. E que nessa vida, nunca havia comido uma marmita. Sentei-me a um banco e comecei a chorar de arrependimento e de vergonha. 
A minha divida com o banco, era por causa do meu carro que acabei não pagando e bati depois de uma noite de bebedeira. Havia me separado da minha namorada porque eu queria aproveitar mais com os amigos. E não dava dinheiro para o meu pai em casa porque eu gastava, gastava... Ao entender a vida daquele casal de mendigos e sua compreensão de  que somente com o outro e dividindo o que tinham  sobreviveriam e a gentileza de dividir o pouco que tinham os faziam menos sofrido de tido o  que já  sofriam.
Altas horas da noite voltei para a  casa. E decidi vender o meu carro, pagar as dividas, e conversar com o meu pai. 
No mês seguinte eu  dei parte do meu pagamento para o meu pai, ia e vinha todos os dias de metro sem me importar com isso e incrívelmente passei a ser o cara mais requisitado da empresa, porque passei a cumprimentar a todos, ouvir amigos e amigas, que ficaram mais amigos. Ser simpático sem ser falso, me fez pegar da vida o que de melhor ela tem que é viver com o outro e todas as coisas. Problemas! Quem não os tens, mas não fiz mais de minha vida uma vida de problemas. Aqueles mendigos me ensinaram essa Grandiosidade ao me oferecerem uma simples marmita que dividiam. Eu, tentei procurara-los mas não encontrei. Mas passei a compartilhar aquela ato de generosidade e Grandiosidade com todos. 
Vamos, experimente dividir o que você  tem de melhor com o outro, ou um simples bom dia e um sorriso para todos sem excessão. Não, não é auto ajuda é grandeza ou Grandiosidade.