terça-feira, 29 de novembro de 2011

O mundo nos sangra.


 Levi, Si e Perninha cresceram juntos num mundo sem possibilidade e cercado de  mortes todos os dias.  Dia sim e outro também um corpo sempre era encontrado em alguma rua do bairro.
Uns foram mortos por homens da lei, outro foram mortos por homens fora da lei.  E o medo de  se encontrar com alguns desses homens é que sempre manteve juntos os três amigos.

O Pai de Levi vendia pipoca em portas de teatro, e sempre levava o os três para conhecerem outra realidade, outras possibilidade.
O pai de Si trabalhava num supermercado e sempre trazia comida diferente, gostosa que Si divida com os dois amigos.
Perninha não conhecia o seu pai, mas nem se importava com isso. Tinha uma mãe que vali por dois pais. Ela trabalhava numa fábrica de brinquedos e sempre trazia algum brinquedo novo que comprava a preço de custo e Perninha dividia entre os dois amigos. E assim, vivendo o mundo sem possibilidades, viviam o possível exercendo o como a uma sociedade entre amigos. Exerciam toda a possibilidade de amizade, e companheirismo.

Mas aquele mundo sem possibilidades não queria que a possibilidade de uma amizade  durasse e nem  mesmo existisse e ao descobrir Perninha sem um pai,  os homens fora da lei o recrutou, recrutou não obrigou a servi-los.
- Se não fizer o que mando, acabo com sua família e seus amigos. – disse uma voz escura pesada, ácida, sangrando o que de mais valor tinha em sua vida, a mãe e os dois amigos.
Perninha passou então a vender as coisas fora da lei para os ricos a que vinha comprar. Ficava num lugar fácil de ser visto tanto pelos ricos como pelos homens fora da lei. E também  visível para os homens da lei. Vendia s coisas fora da lei pros ricos e depois dava o dinheiro pro homens fora lei. Aquilo lhe matava todos os dias.  Já não via os seus amigos, e sua mãe chorava noite e dia.
Mas não podia deixar de fazer.
Até que um dia, os homens da lei o levaram. E todos acharam que seria o seu fim.
A sua mãe, correu pra salva-lo. Mas Peninha foi detido num lugar onde outros igual a ele  viviam  e como ele foram obrigados a fazer o que fez.  Para ele agora era o fim, o fim de tudo. Mas como era criança ainda não sabia que o fim é o fim mesmo e com esperança de criança  começou a pensar nos dias que vivia com os seus amigos, como era bom e que logo sairia dali e voltaria para a sua mãe e seus amigos.

Perninha, não voltou, passou preso um ano, dois, três. A sua mãe vinha lhe visitar todos os finais de semana. Mas os seus amigos, não. Os seus pais não deixavam. Perninha sempre perguntava por eles e sua mãe sempre inventava uma desculpa. Perninha acreditava e passou a estudar nessa instituição e apreendeu também como fazer outros crimes, mas não queria.
Um dia foi solto por bom comportamento. Acreditando que valeu a pena tudo o que fez por sua mãe e pelos amigos. E a primeira coisa que fez em liberdade foi procurar os amigos.
E com alegria em que foi procurá-los, Perninha descobriu a tristeza em sua alma.

Si, não pode recebê-lo porque o seu pai não deixou e  Levi havia se mudado dali e ninguém sabia. Perninha triste viu que aqueles homens foras da lei, os homens da lei, e os ricos que compravam as coisas fora da lei, haviam de uma forma cruel acabado com a amizade que sempre  os fez sentir mais vivo.
Voltou pra casa, e chorou no colo de sua mãe.
- A vida sempre sangra a gente mesmo, mas não tem jeito, temos que  curar o sangramento e ir enfrente. Filho eu consegui uma casa em outro bairro que não tem esses problemas que tem aqui. A gente se muda pra lá, você faz novos amigos, a vida continua, se cura o sangramento e o que vai valer é que você foi homem suficiente pra salvar eu e seus amigos, e vai ser homem pra se curar desse sangramento.
Perninha levantou a cabeça e olhou para a mãe e enxugando as lágrimas lhe disse.
- Eu não quero curar esse sangramento, quero me lembrar dele pra sempre. Esse sangramento vai me dar o valor de quanto vale as coisas na vida.
E respirou fundo, ao ver o sorriso de sua mãe. Agora com esperança no horizonte e a força dessa sua dor pra seguir enfrente.

domingo, 20 de novembro de 2011

Aquela voz dentro de nós!

É uma voz, vozinha que sempre nos guia, talvez para o bem, talvez para o mal, tal qual uma tia ou um avó, falando que não devemos fazer isso ou devemos fazer isso. Nunca comentamos dessa voz, nem sei se damos conta dela o tempo todo, mas inevitavelmente a gente se pergunta. Porque fiz isso ou porque não fiz o que tinha que ser feito. Às vezes ignoramos essa voz, às vezes damos ouvidos a ela em coisas fúteis.
Exemplo: Ah! Se eu usar essa camisa o que vão falar de mim? Ou. Putz se eu tivesse o carro do ano, teria pegado aquela mina!

E as deixamos de usar o que gostamos por medo da opinião alheia ou não botamos fé no nosso taco porque ouvimos a voz dizer antes que aquela mina não tá nem ai pra você.
Essa voz nós a criamos vinda de um medo subescuro de que sempre tememos a opinião do outro. O olhar do outro, para alguns especialistas se trata do eu social. "Aquele eu que sempre queremos mostrar para o mundo e que muitas vezes nunca esta de acordo com o que somos. "

E certo que é preciso mergulhar numa busca interior para saber quem somos mesmo, e ainda sim sempre iremos nos surpreender. Mas quando negamos essa voz vinda de dentro de nós dizendo para sermo-nos mesmo e que deve sim usar tal camisa, não importando a opinião do outro, damos razão a voz que diz sim que a opinião do outro é importante por isso não deve usar essa camisa.
 

É uma guerra que algumas vezes se torna insuportável em outros momentos de nossas vidas deixamos pra lá. Mas como em toda guerra é preciso saber do seu potencial e saber do inimigo. Se tiver que se arriscar em alguma empreitada seja um emprego novo ou um novo relacionamento, se souber da existência dessa voz e saber escolher ou não entre ouvi lá e ignorar, terá dado um passo a mais e certo para a sua conquista.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A força em cada um!

A minha força.
Sempre ouvi relatos de pessoas que descobriram uma força às vezes sobre humana num determinado momento de suas vidas. Mães que levantam carros para salvar o filho preso sobre o veículo. Mochileiros que sobrevivem no frio, na chuva e com fome perdidos em matas densas e hostis e ainda sim seguiriam enfrente atrás da saída de sobreviver. Ou pessoas que diante de uma doença terrível encontram fé e força própria para ir até o fim do tratamento e muitas com um milagre se salvam.
 
O meu caso foi um acidente. Fui atropelado numa calçada, o meu pé esquerdo foi arrancado e fiquei sentindo a dor durante alguns minutos até o resgate chegar. Fui para o hospital, tiraram radiografia e depois me botaram na sala para uma operação onde iriam reimplantar o meu pé, colar mesmo. Eu não tinha visto o estado que ficou o meu pé até então, e quando me levantaram para dar uma anestesia na espinha eu pude ver a gravidade.
 
Os enfermeiros haviam retirado a minha calça onde mostrava que apenas um pedaço de pele segura o meu pé. A imagem era igual quando a gente quebra um osso de galinha, os nervos a cartilagem tudo estava amostra Não tive tempo de gritar, adormeci com aquela imagem.  Acordei três horas depois sentindo uma dor terrível e vendo o meu pé todo enfaixado.
 
O médico me disse que haviam colocados duas placas e dezesseis pinos. E com muita fisioterapia e repouso eu iria me recuperar. Por alguma razão fiquei feliz por ser apenas o meu pé.
 
 A vida ainda respirava em mim. A vida e todas as suas possibilidades ainda estava em jogo. Fiquei feliz, segui todo o tratamento correto e depois de um ano e muita fisioterapia voltei a andar normalmente, corro com dificuldade, mas nada que me impeça de viver.
 
De alguma forma, as coisas da vida ficaram mais simples e importante para mim. Mas principalmente a consciência de se saber vivo e se sentir vivo. O que é uma força.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Amor X Pena.


É sempre muito difícil terminar com um relacionamento. É um assunto até surrado, já dito e escrito tantas vezes.
Mas está sempre tomando a nossa vida, seja o nosso próprio relacionamento ou de algum amigo.
Dias desse um amigo veio até mim bolocoxô pelo fim de um relacionamento. Eu perguntei se foi ela que terminou, ele disse que foi ele. Ele não sente mais nada por ela, mas a viu triste, amarga pela separação e isso estava mexendo com ele. Ele até chorou.
- Mas você gosta dela!
- Não já disse que não. Acabou.
-Então dá um tempo parte pra outra...
- Eu sei, eu não consigo vê-lá triste, sofrendo.
- Mas sofrer todos vamos. Se você ficar com ela por dó vai sofrer e faze - lá sofrer mais.
- Eu sei, mas é duro depois de anos ver a pessoa que sempre esteve ao seu lado chorar, entristecer.
- Se você que ficar com ela por dó... Pena... Não me parece justo com ela nem com você.
- Mas a gente é assim sempre fica com dó do outro...
- Mas ficar com dó do outro pode tirar a chance dela ser feliz. Se encontrar num outro relacionamento. Afinal toda panela tem a sua tampa.
- Eu sei.
- E além do mais ficar com alguém por dó piedade é infinitamente menor do que ficar com alguém por admiração, prazer, amor...
Ele sorriu... Não disse nada, mas parecia mais aliviado. Não tem jeito depois do fim de um relacionamento, temos que seguir enfrente.

domingo, 13 de novembro de 2011

A mulher sensual. A mulher carente.


O encontro com uma mulher sensual e uma mulher carente.

A mulher sensual é confiante. Chega perto de você sorri  e diz:
- Legal esse lugar! http://migre.me/sHesy
A mulher carente está sempre com dor.
- Esse lugar é barulhento.
A mulher sensual te olha nos olhos sem medo.
A mulher carente, mesmo ao seu lado está sempre reparando nas outras.
A mulher sensual pede uma bebida junto com você mesmo estando de dieta.
A mulher carente diz que não pode. Tá tomando antibiótico.
A mulher sensual ouve o que você diz.
A mulher carente sempre tem um problema na família. Geralmente com a mãe e discute o assunto com você.
A mulher sensual tem dor, mas não faz disso um assunto.
A mulher carente tem sempre que ir embora.
A mulher sensual ainda continua te ouvindo se ela estiver a fim de você.
A mulher carente sempre tá mexendo no celular.
A mulher sensual o coloca na caixa postal e continua te dando atenção.
A mulher carente sempre está falando mal do chefe, do cunhado, de uma colega de trabalho.
A mulher sensual dialoga com você.
A mulher carente sempre está pedindo carinho com os olhos, proteção...
A mulher sensual diz com olhos para você vir buscar carinho nela.
No final da noite a mulher carente transa com você e mulher sensual se tiver a fim de você  se despede confiante e marca um outro encontro.  http://migre.me/sHduv

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Problemas X receitas.


Receita para resolver o seu problema é igual chá para doenças. Todo mundo tem uma!

Certamente em algum momento de suas vidas, se encontraram com pessoas que tem a receita certa para os nossos problemas. “Faça o que eu te digo e dará certo.”. E se não fazemos a pessoa diz. “ta vendo se tivesse me ouvido não estaria passando por isso.”

Não que essas pessoas estejam erradas. Mas o fato é que se temos um problema em nossa vida, ou vários, e porque temos que passar por ele. Apreender a resolver. É a nossa experiência de vida. E se essas pessoas que dizem têm a solução de nossos problemas é porque em algum momento de sua vida apreendeu com os próprios problemas. Ou  em muitos casos, não.

Se há um conselho útil para quem esta enfrentando algum problema na vida, é que deva olhar para ele, entender, compreender e apreender muito com ele.  E assim poderá não repetir os mesmo erros e causar um problemas igual, ou pior. Porque nunca sabemos como será o tamanho do problema quando repetimos os mesmos erros.  E por mais que dure um problema, ele terá a sua solução, uma hora ou outra. Nós temos essa capacidade.  E essa capacidade vem de termos passado por esses  momentos difíceis que aconteceu em nossas vidas.  Podemos nos esconder deles nas drogas em doenças, em lamentações. E muitos fazem isso, o que só piora a  carga do problemas, mesmo a sensação de alivio na hora.

Mas não se desfaz dele e somente se desfazemos do nosso problema resolvendo-o. Se for financeiro pagando as contas e poupando; se for emocional procurando entender e se curar ou se livrando do corpo e da alma do que te causa essa dor, etc etc... Parece fácil, mas nunca o é. Mas também não é impossível.  É parte da vida, e estando vivo teremos problemas. Mas também alegria, felicidade e capacidade para resolver os problemas. Que um, após outro vai nos fazendo mais forte.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O otimismo de Voltaire


Ao ler Cândido ou o Otimismo do grande escritor Frances  do século  XVII, François Marie Arouet, o Voltaire,  você certamente encontrar um debate profundo em se ser otimista ao extremo e ser um realista, um ser sóbrio diante das difuldades e pedreiras usando de um termo bem  coloquial, mas que na vida é inevitável. Confesso que o livro me causou reflexões principalmente porque eu viva uma fase de auto-ajuda em que todos os problemas na vida têm uma formula exata ministrada pelos autores de auto-ajuda.  E ao ler Candido, você percebe que os problemas são comuns, e que se olhar para a sua vida  ao que você viveu até o momento, encontrara familiaridade. Algumas pessoas acreditam que não deve ter problemas na vida e se os tem é porque Deus o está castigando de alguma forma. Ou então se trata de um resgate de vidas passadas. E como diria o grande Voltaire em uma carta a Rousseau:
“Não concordo com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o vosso direito de dizê-lo”
E assim devemos encarar os problemas, com busca de uma solução que nos fortalece e nos faz entender mais a nossa capacidade nessa vida. Nada de castigo divinos. Voltaire conduz o personagem Candido a todos os atropelos da vida, mostrando como ele os encara e os enfrenta.  E se alguma vez com medo, outra sem medo por saber ser capaz de resolver. É uma boa leitura, edificante e que  no final  ele fecha com certa frugalidade.
“O que é preciso, sempre é cultivar o nosso jardim”

domingo, 6 de novembro de 2011

Falta Arte.



A arte existe para provocar em nós o que ainda não sabemos e se sabemos fingimos não saber. Sejam as emoções, risos, choros, medo, espanto. Sejam reflexões. Entusiasmos, indignações, perplexidade. Ou a satisfação que nos enche os olhos quando corres em harmonia ou não gravadas numa tela, mas estando ali satisfazem os nossos sentidos  da visão.
E como diria uma amiga: “Pinturas de paisagens sempre trás um certo conforto em nossa casa”.

Conforto é importante ainda mais nos dias corridos que vivemos. Não tenho nada contra as pinturas de paisagens que  a gente comprar na praça da Republica ou as pinturas jornalísticas dos pintores do começo da colonização de nosso país que pintavam as paisagens dominantes. Fauna e flora, além dos habitantes e seus costumes. Índios, negros, portugueses e holandeses.
São importantes.

Mas ando sentindo falta de um pintor que me cause espanto com uma nova paisagem, Um novo conceito uma nova expressão. Sei lá pode ser digital, gráficos de última geração, um novo expressionismo. Ou algo que ainda não temos o termo para tal. Fotografias, talvez.

O que me parece é que as artes de alguma forma caíram num lugar comum. Com medo de errar e errar conjuga com o verbo ousar Não, não se esta mais inventando. Apenas se copia de forma diferente o que já foi feito. Os mesmos romances, os mesmos filmes, as mesmas novelas, os mesmos quadros as mesmas músicas.  

Todos escravos do dinheiro e do medo de não ousar. O mundo parou. E essa parada talvez esteja por vir algum movimento instigante, delirante, excitante e talvez nem seja artístico. Seja algo de novo que vamos criar sem a autorização dos deuses, do dinheiro, do mercado, dos medos e conceitos que conhecemos.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Por que patinamos numa mesma situação?


Em algum período de nossa vida encontramos como que na mesma situação por um longo tempo. Não sei se já aconteceu isso com algum de vocês, mas tendo passado por um momento desses, comentei como alguns amigos e eles  me confirmaram que sim. Num determinado momento de suas vidas, se sentiram impotentes em se livrar de uma situação patinando nela. É mais ou menos como se faltassem dez minutos para deixarmos o trabalho e esses dez minutos parecem nunca chegar.  Você tem que ficar ali, esperando, esperando. 


Algumas pessoas com quem conversei me disseram que não uma mas duas vezes se viram numa situação assim.
Situações  em dificuldades financeiras, numa dívida que parece eterna em saldarmos. Ou um relacionamento que não vinga mas mesmo assim não conseguimos nos livrar dele ou a agonia da perda de alguém muito caro a nós e que não conseguimos aceitar.  Uma doença que não parece ter fim.  E tantas outras situações. Enfim!

Todos nos passamos por um momento assim, porque na verdade é um momento em nossas vidas. E é o momento parte do tempo assim com estarmos vivos aqui e agora  é parte de nossa existência ou de uma existência como um todo.

 
Apreendi em minha ignorância  sobre as coisas da vida que  tudo tem o seu tempo, é frase antiga e já surrada e que muitas vezes nos esquecemos. Tudo tem o seu tempo e tempo tem a sua duração. E qualquer que seja a situação ela parece durar para sempre mas não dura para sempre.
 
Nos angustiamos, ansiosos para que o tempo ruim acabe logo. Nos decepcionamos, entristecemos quando o tempo bom se vai.  É natural, queremos sempre o bom tempo. E ainda que não sabemos o porque a vida produz o dois, tempo ruim e tempo bom.

Eu estou apreendo a compreender os dois: Em tirar alguma lição do tempo bom  e bons momentos  para quando o tempo ruim chegar, saber lidar com ele não se desesperando nem se angustiando, tendo a nítida sabedoria de que ele passara. Assim como aproveitar todo o tempo bom que me vir, sem culpa ou medo. Porque afinal tempo bom e tempo ruim caminham lado a lado como a noite e o dia.  A vida e a morte. Todo tempo rui , todo tempo bom, tem o seu tempo.